O caminho do universitário de Belas Artes e Cinema Arthur Efraim Fernandes de Moura, de 24 anos, foi cruzado por várias vezes de maneira turbulenta pelo artista plástico Marcos Fabiano da Silva Gonçalves, de 32 anos, seu desafeto nas noites cariocas. No último encontro, o fim acabou sendo trágico. Na saída de um evento num shopping na Gávea, em 28 de agosto desse ano, o estudante foi atacado por Marcos Fabiano de maneira inusitada. E acabou morto.

Com um cinto ornamental que disse ter confeccionado há alguns anos, o artista plástico atingiu Arthur com um golpe certeiro, que atingiu a parte de trás do pescoço da vítima.
Sem mexer nenhum membro, o estudante, já gritando no local em que havia ficado paralítico, foi socorrido e levado para o Hospital Souza Aguiar, no Centro, onde lutou pela vida por dez dias. Mesmo que sobrevivesse, ficaria tetraplégico. Arthur teve como causa da morte “traumatismo raqui medular com pneumonia e edema pulmonar subsequentes com ação perfuro cortante de uma arma branca”.